Falando em Design também falamos em Gestalt

Quem estuda o design gráfico, certamente deve reconhecer o verbete “Gestalt” mas caso não esteja familiarizado com o termo, este é o momento de aprender!

Trata-se de uma teoria desenvolvida no início do século XX por Wolfgang Köhler e Kurt Koffka, que apresenta estudos da capacidade do cérebro humano em decodificar certos estímulos visuais e organizá-los para a melhor interpretação.

De acordo com o estudo, ao receber um estimulo visual, nosso cérebro não recebe a informação de forma isolada, mas vários elementos complexos que agrupam características semelhantes, que são organizados como um quebra-cabeça.

Ou seja, temos a visão da totalidade mas também somos capazes de desmembrar a visão geral e nos atentarmos aos detalhes.

Qual a sua importância?

Como todos estudantes ou profissionais do design, procura tornar suas criações significantes visualmente para a melhor transmissão da mensagem e atendimento a seu público alvo. Para isso, é necessário fazer o uso de algumas técnicas baseadas nas leis da Gestalt.

Conheça as leis da Gestalt

1. Lei da Unidade: Consiste em afirmar que a percepção de um elemento seja ele simples ou constituído partes formando a unidade.

2. Lei da Segregação: É a capacidade perceptiva de isolar, evidenciar e interpretar elementos mesmo que sobrepostos. Isso acontece através de variações estéticas que favorecem o contraste como cores, iluminação e texturas.

3. Lei da Unificação: Esta lei trabalha com parâmetros de simetria e equilíbrio dos elementos da composição formando um conjunto coerente e harmônico.

4. Lei do Fechamento: Princípio onde o cérebro faz a  interpretação da  formação de uma  imagem  mesmo ela  estando incompleta, pois a mente consegue  elaborar a  continuidade da  forma podendo entender  a  imagem como um conjunto.

5. Lei da  Continuidade: Trata-se da  sucessão de elemento criando um fluxo de elementos a  serem decodificados  pelo cérebro.

6. Lei da Proximidade: Através do posicionamento aproximado de  várias  formas que  são percebidos  juntos e  interpretados  como uma  unidade.

7. Lei da Semelhança: É a composição onde  os  elementos  possuem  formas, cores ou outros aspectos semelhantes que  são analisados  como uma  unidade.

8. Lei da Pregnância: Princípio onde a percepção visual de  uma  composição é  interpretada de  maneira  rápida e clara, devido ao conjunto ser  homogêneo e  harmonioso.  Um objeto com baixa pregnância possui uma  interpretação mais difícil, devido a complexidade dos elementos  agregados a ele.

Com essas informações, o designer será  capaz de elaborar projetos sofisticados  e  inovadores estruturado em conceitos que  elevam a  qualidade  do trabalho e permite uma  comunicação mais  eficiente com o público.   

You might like

About the Author: Fernando Negrini

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *